Fonte: Brasil Econômico e Folha de S.Paulo 09/03/2012

– Depois dos resultados registrados em 2011, CSU CardSystem desenvolve estratégia em busca de mais rentabilidade em 2012.

– No ano passado, a receita líquida da empresa cresceu 3,7%, para R$ 397,6 milhões, o lucro líquido caiu 28,6%, para R$ 24,3milhões e a margem Ebitda registrou queda de 3,9 pontos percentuais, para 16,5%.

– Um dos caminhos para aumentar a rentabilidade este ano é elevar a participação do negócio de cartões, que em 2011 respondeu por 52% da receita bruta.

– A perda do banco Nossa Caixa – que foi comprado pelo Banco do Brasil e teve o contrato com a CSU encerrado – foi compensada com dois novos clientes conquistados no ano passado: o Tribanco e a Sicredi.

– A empresa afirma que continuará concentrada em desenhar cartões para empresas com número elevado de clientes e a acompanhar o crescimento da classe C.

– O Diretor-Executivo Wanderval Alencar afirma que está oferecendo ao mercado plataforma que permite que cartões pré-pagos se tornem também um meio de crédito.

– Matéria publicada na Folha de S.Paulo traz resultados de estudo feito pela consultoria britânica Lafferty.

– A pesquisa aponta o Brasil como um dos países onde o cartão de crédito é mais usado como meio de pagamento do que de financiamento do consumo.

– De acordo com o estudo, o Brasil tem os maiores juros do mundo no cartão de crédito, mas poucos clientes pagam essas taxas (só 29% das faturas não são pagas integralmente no vencimento).

– “As compras parceladas sem juros fomentam as vendas do varejo. O crédito rotativo é usado para emergência”, afirma Marcelo Noronha, Diretor da Abecs.

Recentemente muitos emissores tem usado o cartão também como instrumento de concessão de empréstimo pessoal. A CardMonitor realizou um estudo especial sobre as estratégias dos principais emissores com relação a esse produto. Se sua empresa é cliente do PRICING, acesse www.cardmonitorpricing.com.br e tenha acesso às melhores práticas do mercado.

Fale com a CSU

Mensagem enviada com sucesso