Em novembro, o Índice Small Caps da bolsa B3, que reúne as empresas de menor valor de mercado ou capitalização, subiu 4,8%, o dobro do Índice Bovespa, que avançou 2,4%. Em geral, as empresas menores costumam ser beneficiadas pela retomada da economia e a expectativa é de crescimento maior no ano que vem, com o Produto Interno Bruto (PIB) avançando mais de 2%. Com isso, devem crescer também os lucros das empresas, especialmente  as pequenas, que têm mais espaço para ampliar os ganhos, observa a Bradesco Corretora, que deu preferência para as companhias voltadas para o mercado local.

Nas carteiras das corretoras dedicadas as small caps, a diversificação é grande. Poucos papéis conseguiram mais de duas indicações entre as sete corretoras acompanhadas pelo Portal do Pavini, que chegou a uma lista de dez ações. Nem todas são empresas pequenas, mas são menos negociadas na bolsa e, por isso, entram na lista das opções de small caps das corretoras.

Os setores refletem também a expectativa de recuperação da atividade e do consumo local, com papéis ligados à indústria, como a fabricante de carrocerias para ônibus e caminhões Marcopolo e a de peças, como chassis e rodas, Iochpe-Maxion. O setor financeiro tem um representante dos bancos médios, o ABC Brasil, e uma seguradora, a SulAmérica. Já o varejo aparece com a empresa de shopping centers Iguatemi, a Via Varejo e também a empresa de viagens CVC. O setor de construção popular, que sustentou as vendas nos últimos dois anos, deve continuar forte, como mostra a indicação de Tenda e MRV, enquanto o agronegócio aparece com SLC Agrícola.

Confira a notícia na integra e as ações de menor capitalização mais indicadas em dezembro.

 

Fale com a CSU

Mensagem enviada com sucesso