Orçado em R$ 40 milhões, o data center da CSU, conhecido como CSU.ITS, nasceu sob o conceito Cloud. De acordo com a empresa de processamento de informações de missão crítica, o data center de Barueri é único que disponibiliza uma Private Cloud, chamada CSU Cloud, que permite pagamento sob demanda. “Nosso ambiente CSU Cloud tem arquitetura de PublicCloud, mas é uma Private Cloud”, destaca Anderson Müzell, diretor executivo e comercial da CSU ITS. De acordo com ele, o Mercado de Data Center no Brasil segue em crescimento e, portanto, é necessário ter provedores maduros que entendam o que é ter um Data Center de Missão Crítica e mais ainda, que conheça bem a cultura de como prestar um serviço de excelência exigido pelos clientes brasileiros.

Confira aqui uma entrevista, exclusiva, com o diretor comercial sobre a CSU.ITS.

DatacenterDynamics: A CSU.ITS foi instalado em Barueri por que motivos? 

Anderson Müzel: Barueri foi a cidade escolhida por ser uma localização privilegiada, possuir disponibilidade de energia e incentivos fiscais.

DCD: Quantos metros quadrados possui o data center?

A.M.: A área do data center é de 2000 metros quadrados. Está dividida em 4 data rooms e pode ser ampliada facilmente e com pouco investimento, o que totalizaria 8000 metros quadrados.

DCD: Que características técnicas você destaca do data center?

A.M.: A principal característica do projeto é ser um data center desenhado, construído e preparado para Cloud Computing.

O data center já nasceu Cloud. A escolha da arquitetura de rede, equipamentos redundantes e alto desempenho, plataforma de virtualização robusta e estável, utilização de rede definida por software, conceito de data center virtual, pagamento sob demanda, scale out/in e portal de provisionamento tornam a Cloud CSU diferenciada no mercado.

Outra característica marcante é a possibilidade de ambientes híbridos, ou seja, permite a integração de Cloud Computing soluções físicas (hosting e colocation) naturalmente.

DCD: Com relação ao cabeamento, o data center possui um anel de fibra óptica?

A.M.: O data center e data rooms permitem dupla abordagem do cabeamento. A arquitetura de rede adotada foi “Top of Rack FabricExtender” com switches de alta velocidade e cabeamento em fibra óptica para uplinks e servidores.

DCD: Qual foi o sistema de refrigeração utilizado? Foi planejado o uso de freecooling ou economizadores?

A.M.: O sistema de refrigeração utilizado foi de precisão tipo Self Contained Microprocessado. Não foi planejado o uso de freecooling ou economizadores.

A CSU segue as recomendações TechnicalCommittee (TC) 9.9 ASHRAE, a elevação da temperatura para 27° está sendo alterada gradualmente, hoje atuamos com 25°.

Para acessar a matéria, clique aqui.

Fale com a CSU

Mensagem enviada com sucesso